.

.

 Institucional

 Quem somos

 Onde atendemos

 Nossa estrutura

 Corpo clínico

 Serviços prestados

 A que nos propomos

 Nossos fundamentos

 Especialidades
 Ceratocone
 Transplante de córnea
 Ceratopatia bolhosa
 Catarata
 Cirurgia a laser (Lasik)
 Glaucoma
 Vítreo e retina
 Oftalmopediatria
 Estrabismo
 Plástica ocular
.

.

R. Cubatão, 86
Cjs. 107/109
04013-000 - Paraíso
São Paulo - SP
(11) 3885 9193

 
Ceratocone

Lentes de Contato especiais para Ceratocone

Introdução

Para iniciar-se um trabalho de adaptação de lentes de contato em Paciente portador de Ceratocone é muito importante que se conheça a anatomia topográfica de sua córnea, através de um exame de topografia de córnea (ou ceratoscopia computadorizada), o qual permitirá que seja identificado o estágio de evolução da doença, bem como que sejam definidas as áreas de pico e as áreas planas da córnea.

Faz-se também importante que se tenha uma conversa franca com o Paciente sobre a adaptação das lentes. É fundamental o Paciente estar ciente de que tanto o teste como a própria adaptação das lentes em si, demandarão muita paciência, tanto dele como do próprio Médico. Via de regra tais testes costumam ser demorados e o Paciente deverá ter previsto tal demora em sua agenda profissional/pessoal.

Existem vários tipos de lentes e, várias maneiras de adaptar as lentes, sendo que cada Paciente, comparativamente a outro, tenderá a se adaptar com um tipo diferente de lente. Um Médico experiente em adaptação de lentes de contato em Ceratocone deverá avaliar para cada Paciente as mais diversas características do Ceratocone tais como: tipo, posição e curvatura do cone, bem como anatomia palpebral, filme lacrimal, etc. Esses são alguns dos ítens mais representativos das características individuais de cada Paciente. Em síntese ressalta-se nesse contexto a importância maior da experiência do Médico que irá adaptar a lente em saber determinar frente às lentes disponíveis no mercado, qual é aquela que mais se compatibiliza com as características individuais de seu Paciente.

Porque a acuidade visual com lentes de contato rígidas é melhor do que com óculos

Uma das principais dúvidas dos Pacientes com Ceratocone é de por que o uso da lente de contato rígida propicia uma melhor acuidade visual do que com a utilização de óculos. A resposta é simples. As imagens adentram no olho através da córnea e são projetados na retina. Por esse motivo uma boa visão começa com uma córnea regular que permita uma convergência das imagens em um único ponto da retina. No Ceratocone, a córnea tem uma forma irregular, com presença de picos e de áreas muito planas, o que determina uma visão ruim. As lentes de contato rígidas gás permeáveis apresentam uma superfície regular que se apóia nas áreas curvas da córnea. Já o filme lacrimal existente entre a córnea e a lente preenche os espaços das áreas mais planas da córnea tornando regular o conjunto formado pela lente e pela córnea. Como as lentes gelatinosas acompanham a curvatura irregular da córnea com Ceratocone, não permitindo a correção das imperfeições corneanas através da lágrima, isso faz com que as mesmas em geral não proporcionem boa acuidade visual nos casos de Ceratocone avançado.

Condições oftalmológicas pré-adaptação

É muito importante o Paciente estar se sentindo bem com os olhos antes que se inicie os testes pois, com uma grande frequência Pacientes com Ceratocone também apresentam conjuntivite alérgica associada, a qual provoca coceira, vermelhidão, formação de secreção muco aquosa, sensação de areia nos olhos, etc. Se um Paciente se apresentar num quadro como esses e ainda assim se dispuser a realizar um teste de lentes rígidas, certamente não conseguirá êxito. Nessas circunstâncias, primeiramente esse Paciente precisa tratar a conjuntivite alérgica, com colírios antialérgicos e lubrificantes para normalizar o filme lacrimal, para somente após isso iniciar os testes com as lentes.

Condições Ideais de Adaptação

Uma lente de contato bem adaptada deve sempre proporcionar conforto e boa acuidade visual. Em linhas gerais o Paciente poderá até mesmo sentir a presença da lente, o que por si só não representa nenhum problema. Todavia ele não deverá sentir irritação, dor, ou manifestar vermelhidão nos olhos.

Durante os testes, instilamos um corante chamado Fluoresceína, o qual nos mostra quais são as áreas de maior toque na córnea. Se a lente estiver muito apertada, ela poderá inclusive demarcar a periferia da córnea, provocando um acúmulo de fluoresceína no centro, havendo até mesmo retenção de bolhas de ar em alguns casos. Já se a lente estiver muito plana, será verificado um toque acentuado na área mais curva da córnea, o que na insistência de sua utilização poderia inclusive provocar a formação de ceratite e/ou até mesmo erosão da córnea, o que propiciaria o aparecimento de cicatrizes corneanas. Nessa linha, pode-se afirmar que a lente tem que manter uma relação o mais ideal possível com a córnea, sem que provoque lesão em sua superfície. O fato é que quando uma lente não se encontra ainda adequadamente adaptada, o Paciente não consegue passar muitas horas com ela, sentindo uma necessidade muito grande de removê-la o mais rapidamente possível. Todavia, muitas vezes devido à melhora significativa da visão proporcionada pela lente, o Paciente passa a insistir no uso da mesma, o que constitui-se em um grande equívoco já que possíveis cicatrizes corneanas decorrentes da adaptação inadequada irão provocar queda da visão, bem como um estímulo à própria evolução em si do ceratocone. Por essa razão já dispomos tanto no mercado interno como no externo de vários modelos de lentes especiais para utilização em Ceratocone, as quais têm como objetivo maior não causar traumas na córnea nem estimular a evolução do Ceratocone. A tecnologia apresentada por tais lentes, evidentemente desde que bem prescritas e adaptadas, proporciona ao Paciente um número muito maior de horas de utilização bem como conforto no seu uso.

Procuramos sempre iniciar nossos testes com as lentes mais simples, tais como a Lente Rígida Gás Permeável Esférica. Caso o Paciente não apresente boa adaptação com essa lente, partimos então para os testes com as lentes mais sofisticadas.

Nossa contínua experiência com adaptação de lentes de contato em Pacientes portadores de Ceratocone tem-nos mostrado que a evolução dos testes deve em geral seguir a seguinte seqüência, levando-se em consideração os tipos de lente e formas de adaptação:

Lente Rígida Gás Permeável (RGP) Esférica ou Monocurva

A lente rígida gás permeável esférica é uma lente onde a curvatura interna da lente é igual em toda sua superfície. Essa lente aplica-se muito bem aos casos iniciais de Ceratocone, onde todavia os óculos já não proporcionam uma boa acuidade visual.

A Lente RGP Esférica é confeccionada com vários materiais, podendo ser Siliconada, Fluorcarbonada, Híbrida, Boston XO, Boston EO, etc;

Lente Rígida Gás Permeável (RGP) Asférica

A lente rígida gás permeável asférica é uma lente onde a sua curvatura central é maior do que a curvatura da porção periférica. Porém, a mudança de curvatura entre a porção central e periférica é bem suave.

A Lente RGP Asférica, é confeccionada com vários materiais, podendo ser Siliconada, Fluorcarbonada, Híbrida, Boston XO, Boston EO, etc;

Lente Rígida Gás Permeável Dupla Face ou Bicurva

A Lente Rígida Gás Permeável Dupla Face é uma lente onde a sua curvatura central é maior do que a curvatura da porção periférica, existindo todavia duas curvaturas bem definidas.

A Lente RGP Dupla Face é confeccionada com vários materiais, podendo ser Siliconada, Fluorcarbonada, Híbrida, Boston XO, Boston EO, etc;

Outras Lentes RGP com a mesma concepção da Dupla Face (Bicurva)

Vários laboratórios, de diversos locais do mundo, vêm desenvolvendo modelos de lentes que proporcionam melhor conforto ao Paciente com Ceratocone. Todavia, todas têm a mesma característica, de ser uma lente bem curva na área central, para “encaixar” o cone sem provocar atrito e, uma periferia com uma menor curvatura, para acompanhar a área plana da córnea periférica. Mencionamos as Rose K2, as E-Cone; as Soper-McGuire, ou mesmo as Ultracone, embora algumas delas sequer encontrem-se já disponíveis para utilização no Brasil;

Lentes com o centro rígido e a periferia gelatinosa

As lentes que apresentam uma área central rígida e uma periferia gelatinosa são lentes que determinam um grande conforto ao Paciente. Há que todavia tomar-se muito cuidado com o material com que essas lentes são fabricadas pois, se tal material não for gás permeável, pode ser provocado um edema de córnea, com embaçamento da visão e visão de arco-íris ao redor de lâmpadas. Essas lentes podem ser indicadas em Pacientes portadores de Ceratocone em estágio avançado. Bem recentemente a SynergEyes, lançou uma lente chamada “SynergEyes KC”, onde a parte rígida da lente apresenta uma curvatura própria para ceratocone e a periferia é gelatinosa, determinando uma melhor adaptação e conforto, sendo que tanto a porção rígida como a gelatinosa são de materiais gás permeáveis, permitindo uma boa oxigenação da córnea e, podendo dessa forma ser indicada para qualquer estágio do Ceratocone. Há todavia que se destacar que essa lente ainda não se encontra disponível para utilização no Brasil;

Piggy back

“Piggy back”, é a expressão atribuída a uma forma de adaptação, onde em contato direto com a córnea adaptamos uma Lente de Contato Gelatinosa para proporcionar o conforto e, uma Lente Rígida Gás Permeável sobre a lente gelatinosa para que possa ser propiciada uma boa acuidade visual. Tal técnica costuma ser muito utilizada na nossa prática de adaptação de lentes em Pacientes portadores de Ceratocone;

Lentes Gelatinosas para Ceratocone

As lentes de contato gelatinosas para Ceratocone